Essai : l’Industrie de la moda, Legal Smart Contract et Blockchain

Legal Smart Contract - Alex Garcias

Legal Smart Contract – Alex Garcias

Essai : l’Industrie de la moda, Legal Smart Contract et Blockchain

Observation

La haute technologie peut être utilisée pour résoudre de nombreux problèmes de l’industrie de la mode.

Nous considérons le secteur de la mode et de la chaîne comme un marché spécifique pour l’étude de cas. Cependant, l’utilisation du contrat intelligent pour contrôler l’activité de la mode peut être utilisée dans d’autres chaînes telles que la production de tissu, les chaussures et les sacs à main.

Legal Smart Contract a pour but de contrôler les droits et obligations de la personne, du gouvernement, de la société, sans intermédiaire, tel que le système juridique centralisé.

Par conséquent, Legal Smart Contract vise à contrôler la relation juridique entre la personne physique et l’entité juridique publique à société privée sans intermédiarie. Par exemple:

Nous supposons une entreprise de mode. Cette entreprise a des ouvriers. Cette société a des produits et services. Cette compagnie a le transport. Chaque chaîne de l’industrie de la mode est contrôlée par des droits et des devoirs dans les relations juridiques entre les personnes, les entreprises et le gouvernement.

La première observation est dans le coût. Une entreprise est en conflit avec le contrat de travail. Quel est le coût de la résolution du conflit à l’aide du système juridique de votre pays? Il faut ajouter au coût le temps nécessaire pour résoudre le problème.

Le Legal Smart Contract peut résoudre le même problème an seconds, sans intermediaries avec côut des milliers de fois plus petit. Il en va de même dans d’autres secteurs de l’économie mondiale.

L’objet du contrat juridique intelligent est variable. Intelligent Legal Agreement peut être utilisé pour contrôler le paiement de toutes les données relatives aux personnes, aux données publiques, aux données privées et aux données sensibles. Peut être utilisé pour stocker des données commerciales et gouvernementales.

Dans cet essai, nous examinons l’application de Legal Smart Contract dans le secteur de la mode. L’objectif est de comprendre le fonctionnement de chaque chaîne de l’industrie de la mode pour un contrôle intelligent des contrats.

Les contrôles portent sur les droits et les obligations et l’automatisation des tâches présentant un intérêt pour le système juridique mondial.

Argument

Comment Blockchain peut-il aider le secteur de la mode?

Comment la crypto-monnaie peut-elle aider le secteur de la mode?

Comment l’Internet des objets peut-il aider le secteur de la mode?

Comment Smart Contract peut-il aider le secteur de la mode?

Comment un contrat à exécution automatique peut-il aider le secteur de la mode?

Comment l’intelligence artificielle peut-elle aider le secteur de la mode?

Comment Data Science peut-il aider le secteur de la mode?

Comment Machine Learning peut-il aider le secteur de la mode?

Complet: http://alexgarcias.com.br/Ensaios/France/fashion/legal-smart-contract-fashion-alex-garcias-blockchain.pdf

____________________________
Alex Garcias, Dr. Essai : l’Industrie de la moda, Smart Contract et Blockchain, 2019, http://alexgarcias.com.br/blog

Smart Contract. Linked. Blockchain

Alex Garcias | Advogados

Smart Contract Person

Developer: Solidity 0.5.11, HTML, CSS, Web3.js;

Observation:

This Yellow Paper resume the technical information about link between Smart Contracts. Each human activities has your own Smart Contract. Some human activities has more importance that others. So, is important too register some human activities in Smart Contract so solve conflicts without intermediaries. We suppose that the individual “Alpha” has one house, one car, one soon, one cat, one job, education, take care to health, travel and waste.

We build the Smart Contract to linked the important human activities. The first Smart Contract register the data about the person. Other Smart Contracts as buy, sell, rent properties are linked with the Smart Contract Person that Hash is the primary key of the Ecosystem. The same to Car.

If a person buys a car, the legal relationship between buyer and seller is recorded in the Smart Contract. The Smart Contract can transfer money, assets, property, anything, automatically, without intermediaries like lawyers, judiciary and banks. So when accessing the Smart Contract person’s Hash primary key the information is public, private, and sensitive data, with access level determined as public or private in the Solidity program, about the person connected to Smart Contract properties, cars. Thus, personal information and car information are recorded in Smart Contract and stored in Blockchain. The same to soon and parents.

The hash, children and parents, specific smart contract, are recorded in the smart contract and stored in the Blockchain. There is cross data information. The Id of offspring is registered in father, mother, grandfather, grandmother, brother, health, education and other human activities. In resume, read Blockchain Structure, is possible link Smart Contract to register all important human activities in the Blockchain, as follow:

Full doc: https://github.com/AlexGarcias/SmartContract/blob/master/ReadMe.md

___________________________
Garcias, Alex. Dr. Yellow Paper. Link between Smart Contracts. Structure, August, 2019.

Website: http://alexgarcias.com.br

Repository: https://github.com/alexgarcias

Company AGGreen Smart: https://github.com/aggreensmart | agg@alexgarcias.com.br

Company AGPirate Smart: https://github.com/agpirate | agp@alexgarcias.com.br

LinkedIn: www.linkedin.com/in/alexgarcias

Twitter @lexgarcias

Academia Science

https://independent.academia.edu/alexgarcia463

Open Corporate Capital by Crypto-assets

Alex Garcias | Advogados

Alex Garcias

Observation

In the world we have only one method Open Corporate Capital (IPO). The method is centralized. Countries have stock exchanges. If the entrepreneur wants to open Corporate Capital for his small or medium business, he should go to the centralized market and start corporate capital on the Stock Exchange like Dow Jones, NASDAQ and others in other countries.

That’s nice? Of course, it’s great Open Corporate Capital on Dow Jones or NASDAQ. But how many companies have the financial and technical conditions to Open Corporate Capital at Dow Jones or NASDAQ, as an example?

The Centralized Stock Exchange, like Dow Jones and NASDAQ, should consolidate companies with great financial capacity and excellent technical conditions. Because this is the centralized market rule for corporate IPO.

This truth is shown in the simple question: How many companies are registered in the government of your country? How many in your country are IPO on the stock exchange?

There is no doubt that the number of companies registered in the government is greater than the number of companies with centralized IPOs.

Cause and effect in the chain

What is the effect if all companies registered in the government open corporate capital in central Stock Exchange?

What is the effect if all companies registered in the government and registered in centralized Stock Exchange open corporate capital by crypto-assets?

Problem

The objective of Open Corporate Capital is to expose the company, profit and win investments. The Trilogy: Company Exposure, Profit, and Investment is the gas for any company or project. Without the trilogy, bankruptcy is the only way.

There is many companies and many people around the world that need investments, company exposition and profit for projects.

The centralized system cannot be accessed by all people and businesses. Only companies with large financial capacity, large technical support can access the centralized stock market such as Dow Jones or NASDAQ.

In this essay we look at the simple method to Open Corporate Capital by Crypto-assets as alternative to centralized Stock Exchange market.

Alex Garcias: http://alexgarcias.com.br/Ensaios/English/IPO/Open-Corporate-Capital-by-Crypto-assets-Alex-Garcias.pdf

Academia.edu: https://www.academia.edu/40074829/Open_Corporate_Capital_by_Crypto-assets

_________________________________

Alex Garcias, Dr. Attorney. Research. Developer C#, Python, Solidity, PHP, HTML, CSS. Open Corporate Capital by Crypto-assets, August, 2019.

Web site: http://alexgarcias.com.br | https://github.com/alexgarcias

GitHub AGGreen: https://github.com/aggreensmart

AGGreen Contact: agg@alexgarcias.com.br

GitHub AGPirate: https://github.com/agpiratesmart

AGPirate Contact: agp@alexgarcias.com.br

Alex Garcias contact: contato@alexgarcias.com.br

LinkedIn: www.linkedin.com/in/alexgarcias

Twitter: @lexgarcias

Academia Science

https://independent.academia.edu/alexgarcia463

What is ICO? What is IMO? Disruption with Blockchains, cryptocurrency, IoT, Smart Contracts

 

Alex Garcias | Advogados

Observation

Monetary mechanics is changing. The classical model is replaced by modern monetary mechanics. The method of accessing investments, dividing recompense into two or more countries, buying and selling in world trade or domestic market, solving international conflicts, dividing opportunities for all people in Human Rights, false government, untruthful data security, false bank, untrue stock exchange, untruthful judiciary, false corporate, untrue education, untrue Federal Bank, false fractional reserve system, false classical money, are causes that the effects are the collapse of the classical monetary system, classical trading system, classical government system, classical judicial system. The current monetary mechanism is bankrupt.

How is the market and the relationship between people, companies, governments, banks, stock exchanges, jobs, investments, corporate governance, legal, recompense without the classic monetary system, no classic money, no classic jobs, no classic recompense, no bag of classical values? without the classic division of recompense, without classic money, without access to banks, without the judiciary to resolve conflicts?

Centralized method

The current system around the world has a centralized method. The government centralized, the Judiciary centralized, the power to draft rules and laws centralized, centralized control of the World Trade. Global investment control is centralized. The whole system in government and structure to control and resolve conflicts and money are centralized. If the individual or the companies have a conflict, the centralized method is to solve the problem by the Judiciary and its chain: lawyers, prosecutors, judges and others.

If the individual or companies need money to invest in their projects, the centralized method is the bank, the government or the stock exchange. Monopoly of classical money.

If the individual or companies they want to invest in any company anywhere in the world, the centralized method is the worldwide stock exchange. We believe that investments in publicly traded companies are for few people and investments in stock market are for few companies. Most people and most companies around the world do not participate in the stock exchange system to send or receive investments.

In Brazil, for example, they have more or less 9 million companies registered in the government system. The Brazilian stock exchange has more or less 250 companies.

In Brazil, for example, they have 210 million people. The number of Brazilians who invest in companies inside or outside the classic stock exchange system is insignificant.

Note the total number of companies that are registered in the US government system, France’s government system, Italy’s government system, China’s government system linked to the total amount of the company that has publicly traded stock in those countries. Note the total amount of the person in those countries, for example, that sends and receives recompense through the classic system of the stock exchange. Note that the classic system for resolving conflicts, classic system to send and receive market recompense are for the few people and few companies around the world.

Is there a new method for people and companies around the world to send and receive investments to other people or other companies without a classic stock exchange system without a classic money system without a classic system for resolving conflicts?

How individuals and companies in developing and isolated countries can receive and send investments from anywhere in the world to their personal or corporate projects without a classic stock exchange system, classic banking system, classic government system, solve international problems or domestic trade conflicts?

African, Brazilian, Chinese, singer, musician, farmer, fisherman, actor, author or other can send and receive investments worldwide without classic stock exchange system, classic banking system, classic system of government, classic court system?

Continue reading

Essai Traitement des données à caractère personnel relatives à des condamnations pénales et des infractions.

 

Alex Garcias | Advogados

Alex Garcias | Avocat

Observation

Après quatre années de préparation et de débat, le GDPR a finalement été approuvé par le Parlement européen le 14 avril 2016. Il a été appliqué le 25 mai 2018 – et les organisations non conformes peuvent maintenant faire face à de lourdes amendes.

L’article 10 de la nouvelle loi a déterminé le traitement des données à caractère personnel relatives à des condamnations pénales et des infractions.

Il y a des conditions pour les données sur la personne physique. Les données d’intérêt de la personne, du détenteur du droit, de l’État qui peut ou non être le gestionnaire immédiat des données sur la personne physique.

En ce qui concerne les condamnations et les infractions pénales et la personne physique qui, si elle est révélée, a le potentiel d’exposer le danger, le droit fondamental de l’homme.

Dans cet article, nous observons l’article 10 du règlement sur la protection des données de la personnalité naturelle et le lien de cause avec le droit à des données sensibles et la condamnation pénale.

Argument

Le traitement des données à caractère personnel relatives aux condamnations criminelles et aux infractions connexes ou aux mesures de sécurité est-il sensible?

Qui est responsable du traitement des données à caractère personnel relatives aux condamnations pénales et aux infractions ou aux mesures de sécurité connexes?

Complet: PDF

https://alexgarcias.com.br/Ensaios/France/RGPD/CondamnationsPenale/rgpdFranceAlexGarciaAvocatCondamnationsPenale.pdf

___________________________________

Alex Garcia Silveira – CEO – Alex Garcias | Advogados, Essai
Traitement des données à caractère personnel relatives à des condamnations pénales et des infractions. , 2018.

Export and import participants

Alex Garcia

Ciência Jurídica

Brazil: Export and Import law system

Export and Import

Exporter is one who ships or sells domestic goods outside Brazil.

Importer is the one that buys merchant outside of other countries to sell them in the territory of Brazil.

Regional market and market analysis

Regional market selection for operations, which includes:

Commercial viability;

Difference of change;

Purchase condition;

Prices;

Delivery;

Another form of negotiation;

Establishment business contact;

Law;

Effect distribution channel for trade in goods and merchandise.

According to the commercial customs confirmed the closing of the business, the same will be formalized in accordance with the legislation and Pro Forma Invoice with the description about parts information or qualification, descriptions of the goods and price.

The deal may be modified by the parties. Such as the model of sale, delivery, transportation, and any other condition relevant to the closing of the business and compliance with the legislation of the buyer and seller countries and international trade treaty.

Objective good faith will exist in every business. From start to finish the parties will be honest in the business relationship.

Basic exporter accessory obligation

Continue reading

Do fenômeno do Crime

Alex Garcia Silveira

Ciência Jurídica

Do fenômeno do Crime

A problemática

Caso 1 – Modelo de violência contra a pessoa.

Os réus do caso cuja sentença indicamos para análise, segundo entendimento do Tribunal do Júri, agiram com vontade livre e consciente, com querer, para executar a conduta típica e antijurídica de matar o sujeito passivo A e B.

Aceitar que o Homo sapiens é dotado da capacidade livre e consciente para atuar no mundo dos fatos tendo, apenas, o próprio conteúdo volitivo como defensor, juiz e promotor, sem que nenhuma ocorrência no mundo exterior cause interferência na capacidade de atuação, é lacrar os olhos e a mente para pontualidades infundadas, inatingíveis através de método racional e lógico, que assombram a declaração de que o Homo sapiens faz o que faz porque, simplesmente, tem vontade livre e consciente de fazer.

Porque o Homo sapiens faz o que faz?

Qual o segredo oculto, cuja revelação permitirá ao Homo sapiens, ter conhecimento sobre a origem da própria conduta?

A Ciência do Direto Penal e a própria Ciência Jurídica isoladamente, são incapazes de explicar, qual é causa a justificar que alguns Homens têm conduta ou comportamento adequado a algum tipo penal e outros Homens não tem.

O atual modelo e Política Criminal, na República Federativa do Brasil, consagra a vontade livre e consciente como causa da conduta humana e, por conseguinte, do resultado de que depende a existência do crime. A confundir e fundir conduta com comportamento, enquanto as terminologias não se equivalem e não são sinonímia, sequer na Ciência dos léxicos.

O estudo que nos dedicamos, aprofunda nessas questões. A observar o Fenômeno do Crime através da razão e lógica, em busca a verdade sobre hipótese da ação e omissão, causa e efeito, vontade livre e consciente, previsto no artigo 13, 14, II, e 18, do Código Penal do Brasil.

Código Penal Brasileiro. Artigo utilizado para análise de caso.

Art. 13 – O resultado, de que depende a existência do crime, somente é imputável a quem lhe deu causa. Considera-se causa a ação ou omissão sem a qual o resultado não teria ocorrido . (Redação dada pela Legislação nº 7.209, de 11.7.1984);

Art. 14 – Diz-se o crime: (Redação dada pela Legislação nº 7.209, de 11.7.1984);

Crime consumado (Incluído pela Legislação nº 7.209, de 11.7.1984);

I – consumado, quando nele se reúnem todos os elementos de sua definição legal ; (Incluído pela Legislação nº 7.209, de 11.7.1984);

Art. 18 – Diz-se o crime: (Redação dada pela Legislação nº 7.209, de 11.7.1984);

Crime doloso (Incluído pela Legislação nº 7.209, de 11.7.1984);

I – doloso, quando o sujeito ativo quis o resultado ou assumiu o risco de produzi-lo ;(Incluído pela Legislação nº 7.209, de 11.7.1984).

Hipótese

a. É verdade que sem o sentido da visão o Homo sapiens não vê o mundo em que transita.

b. É verdade que sem o sentido da audição o Homo sapiens não ouve os sons do mundo em que transita.

c. É verdade que sem o sentido o olfato o Homo sapiens não sente o cheiro do mundo onde transita.

d. É verdade que sem o sentido do paladar o Homo sapiens não sente o gosto do mundo onde transita.

e. É verdade que sem o sentido do tato o Homo sapiens não sente o mundo material em que transita.

f. Se nascesse ou fosse criado um Homo sapiens sem o pleno funcionamento dos 5 órgãos do sentido humano, então é impossível observar a manifestação de vontade livre e consciente e capacidade de tomada de decisão, nele.

g. A vontade livre e consciente não tem origem no conteúdo volitivo do Homo sapiens.

h. A capacidade de tomada de decisão não tem origem no conteúdo volitivo do Homo sapiens.

i. O Homo sapiens não tem ação ou omissão, conforme afirmação do artigo 13, 14 e 18 do Código Penal Brasileiro.

j. O Homo sapiens apenas reage ao mundo em que transita, de acordo com a intensidade dos sinais com origem no Mundo Exterior, que são recebidos por um, por alguns, ou por todos os órgãos do sentido do Humano.

k. O conteúdo volitivo do Homo sapiens é 100% (cem por cento) formado por fatores externos;

l. Não há um só Homo sapiens que seja plenamente livre do Mundo Exterior. Salvo aquele sem o pleno funcionamento dos 5 órgãos do sentido humano;

m. É verdade que o Código Penal Brasileiro trata que conduta é efeito da vontade livre e consciente. Se não há vontade livre e consciente, então não há conduta. Se não há conduta, então não há crime.

n. Se a hipótese principal que criamos conduz a razão de que a vontade livre e consciente e a tomada de decisão não têm origem no conteúdo volitivo do Homo sapiens ou em qualquer outra parte de seu corpo, por que no Homo sapiens sem o pleno funcionamento dos 5 órgãos do sentido é impossível observar a vontade livre e consciente e capacidade de tomada de decisão, então o Homo sapiens não tem conduta, mas, somente e tão somente, comportamento.

o. Se a conduta é a ação ou omissão, então nenhum Homo sapiens tem conduta.

p. Todo Homo sapiens tem comportamento.

q. Se o Homo sapiens, apenas, reage ao mundo exterior, então ele não age ou se omite.

r. Se o Homo sapiens reage ao Mundo Exterior, por meio do pleno funcionamento dos 5 órgãos do sentido humano, então o Homo sapiens tem comportamento e não tem conduta.

s. Nenhum Homo sapiens é responsável final pelo seu comportamento.

t. Toda intensidade do Mundo Exterior, dado o nome de forças energéticas mecânicas corpóreas ou incorpóreas, além do necessário para a sobrevivência de toda espécie, em paz, é responsável solidário pelo comportamento violento de cada indivíduo na sociedade. Obviamente, por justiça, afora os que sofrem de males da mente, do qual a violência é efeito.

u. O fundamento do Direito Penal Brasileiro, de que: Se não há vontade livre e consciente, então não há conduta. Se não há conduta, então não há crime. É falsa e requer aperfeiçoamento, pois trata de fundamento injusto e ilógico, racionalmente, que está a gerar condenação no Direito Penal com fundamento em hipótese comprovada como falsa.

Objetivo de estudo

O fenômeno do crime, o qual analisamos, primeiramente na República Federativa do Brasil, na literatura correspondente não é raro o encontro de reproduções sistemáticas de fontes primárias sem, no entanto, apresentar noção logicamente plausível para explicar o fenômeno do crime.

O conceito ou noção do que é o fenômeno do crime formulou-se sobre a regência de dogmas que impediram e, ainda, impedem a indicação científica, polida e escorreita, do que seja tal ocorrência frequente na sociedade.

O modelo atual sobre a noção do fenômeno do crime determina o Homo sapiens como responsável final por sua ação ou omissão. Essa consideração implica que o Homo sapiens tem vontade livre e consciente e que sua conduta ou comportamento não é influenciada, influenciável, por outros seres da mesma espécie, de outras espécies, ou pelo ambiente em transita e está inserido.

Não é plausível a sustentação de ser verdade a hipótese que alimenta a ideia de que o Homo sapiens faz o que faz, única e exclusivamente, por que sente vontade de fazê-lo.

A consideração dessa hipótese como verdadeira implica na retirada de responsabilidade direta e imediata de pessoas e Instituições do Estado como contribuintes direto para o comportamento humano, que tende a ser adequado a algum tipo penal, ou, devido a frequência e desvalor, que venha se tornar Bem-jurídico penal.

Justificativa

Quanto a escolha dos casos

Escolhemos para estudo dois casos emblemáticos para o povo Brasileiro.
O interesse nos casos que apontamos é meramente cientifico. Devido à grande repercussão nacional.
Os elementos do fato típico podem ser estudados em qualquer caso, de qualquer condenado ou acusado ou indiciado por fato que tende a ser típico e antijurídico, após o transito em julgado de sentença penal condenatória.

A justificativa parte da seguinte declaração

Se nascesse ou fosse criado um Homo sapiens sem o pleno funcionamento de todos os órgãos do sentido humano, então é impossível e improvável, observar a vontade livre e consciente e a capacidade de tomada de decisão, em seu conteúdo volitivo ou em qualquer lugar desse ser.

A declaração acima justifica a necessidade da revisão imediata de todo o estudo relacionado a parte geral e a parte especial do Código Penal Brasileiro, senão mundial.

A declaração que apresentamos acima esclarece que o atual modelo de conduta ou comportamento e do resultado, do qual depende a existência do crime, que somente é imputado a quem o causou por ação ou omissão, é hipótese falsa. E, por ser falsa, não permanecerá na legislação que tenha fundamento para punição ou cumprimento de obrigação, a vontade humana e a respectiva, ação ou omissão.

A verificação da culpa no Direito Penal Brasileiro e a verificação de obrigação civil é fundamentada em hipótese falsa. Portanto, é ilegal e injusta.

Método

Documental.

* Participe desse projeto. Saiba como

___________________________________
 Silveira, Alex Garcia. Do fenômeno do crime. 1. São Paulo: 2016. Disponível em: alexgarcias.com.br

Instagram: @alexgarciasofc
Facebook: fb.me/alexgarciasofc

Tolerância Zero

Alex Garcia Silveira

Ciência Jurídica


A legislação brasileira é imprestável. Temos um Código Penal de 1940. A legislação brasileira é atrasada. Precisamos modernizar nosso Código de Legislação para controle social.
Essas são constantes declarações que se ouve aqui e acola na República Federativa do Brasil.

Natural do Homo sapiens a busca pela materialidade e autoria da coisa que está lhe causar algum tipo de dano ou ameaça de dano.

Para o problema da instabilidade social, tendo por causa, ou uma das causas, a violência, anunciada pela adequação da conduta ou comportamento humano, a algum tipo descrito no Código Penal do Brasil, a justificativa é sobre a hipótese que a legislação penal é pretérita e não serve mais para controlar a sociedade brasileira atual.

É justo, que primeiramente, consideremos que a sociedade que precisa de legislação para manter intacto o próprio Direito e Direito de terceiros, convivente social, é, naturalmente, sociedade primitiva. Cujo Homo sapiens é incapaz de reger a própria conduta ou comportamento, em respeito ao próprio Direito e ao Direito dos demais, de toda espécie vivente no mesmo espaço-tempo.

A sociedade que precisa de legislação penal é sociedade primitiva que ainda não evolui ao estado de entendimento sobre Direitos e Deveres.

Considerando, então nosso estado primitivo, pois, ao tempo desse escrito há um Código Penal Vigente, em todos os países no Planeta Terra, pergunta-se se o Código Penal vigente é imperfeito para reger a sociedade brasileira, atual, ou, a aplicação do Código Penal vigente é imperfeita?

Supomos que a partir desse instante haverá na República Federativa do Brasil, toque de Tolerância Zero.
Nenhum ato ou fato de interesse para o Direito Penal será inobservado pelas pessoas e pelo Estado.

Toda conduta ou comportamento adequado a qualquer tipo penal, em qualquer lugar onde estiver o Homo sapiens, será conhecida pela sociedade e pelo Estado. E, para toda conduta ou comportamento adequado ao tipo penal, será aplicada a pena correspondente no Código Penal do Brasil, de 1940, em vigência.

Quantas vezes um Homo sapiens brasileiro tem conduta ou comportamento adequada a algum tipo penal, durante 24 horas? E durante a semana? Durante o mês? Durante o ano?

É tipo penal a calunia, a injuria, a difamação. O furto de sinal de internet. O furto de energia. O furto de sinal de TV a cabo. A encostada libidinosa no transporte público lotado. A apropriação indevida da caneta, lápis, borracha, cartucho da impressora do local de trabalho, na escola, ou de qualquer terceiro. Da recepção do celular com desconto de 90% na barriquinha da esquina. A compra dos óculos, tênis, camiseta, bolsa, sapato, pirateado. Do mesmo modo a venda de produto pirateado o é.

É tipo penal a cópia e divulgação indevida, por qualquer meio, inclusive internet, de material sem que se tenha autorização do autor, a se adequar como crime contra a propriedade intelectual. É tipo penal ouvir música em volume elevado a perturbar a paz e o sossego alheio.

Quantas vezes cada Homo sapiens na sociedade brasileira tem conduta ou comportamento adequado a algum tipo penal e o Estado tolera por ineficiência e ausência de exigência, por quem de Direito?
E a sociedade tolera. Não denunciando o ato ou fato que tem conhecimento, que se adequa a algum tipo penal, a polícia.

Na sociedade brasileira quem noticia a polícia sobre fato típico é “ganso”, “dedo duro”, “cagueta”, “x9”. Ou seja, quem exige que a legislação penal seja cumprida é inimigo e não amigo.

Supondo como verdade um toque de Tolerância Zero. O Estado e a Sociedade a conhecer toda conduta ou comportamento e exigir punição e punir, a qualquer transgressor.

A observação nos permite conhecer aumento da eficácia da mesma legislação penal, datada de 1940.
Essa razão é atingida com a declaração de que a eficácia da legislação penal é proporcional a quantidade de condenação, por qualquer fato típico.

Logo, quanto maior o número de Homo sapiens, condenado rapidamente e interno, no sistema prisional, maior é a percepção da sociedade, sobre eficácia da legislação penal vigente. O que independe da data inicial da vigência do Código em uso. E independe do conceito de bom ou mal Código de legislação penal.

Portanto, é imprescindível a eficácia do Estado em fazer cumprir, com tolerância zero, o Código Penal vigente. A elaborar um novo e não cumpri-lo novamente, tal como tem feito o Estado-político, desde 1940.

É necessário que o povo brasileiro aprenda a respeitar a legislação que tem.

Não há finalidade em alterar legislação sem que o povo a compreenda e a tenha como válida para si e a execute na relação para com seus pares na sociedade.

_____________________________________
Como citar: Silveira, Alex Garcia. Tolerância Zero. A legislação penal é antiquada para a sociedade brasileira atual ou a aplicação da Legislação Penal é ineficiente pelo Poder Judiciário?. 1. São Paulo: 2017. Disponível em: alexgarcias.com.br

Instagram: @alexgarciasofc
Facebook: fb.me/alexgarciasofc

Brazilian Nacionality Rigth

Alex Garcia Silveira

Advogado Criminalista. Advocacia Inteligente

Nacionality Rigth

Concept of nacionality

The concept of nacionality is result of the link between people and territory.

We can say that born in the same territory has the same origin, the same linguage, the same customs and traditions as yours ancestors forming a socio-cultural based community called nation.

They are the Nacionals. They one who is born within the boundaries of certain sovereign territory.

So nacionality is link political and legal of the internal public law. That makes the person one of the component elements of the state’s personal dimension.

In Brazilian law the terminology nacionality and citizen are not equal.

National is the Brazilian born in Brazil or naturalized. That is, who has a political and legal link with State because birth or naturalized.

Citizen is the one who as all the political rigths. Right to vote and be voted In the Federative Republic of Brazil.

So we have two situations. Nationals and citizens. They’re not the same.

National doesn’t need to be a citizen. However, the citizen needs to be national, natural or naturalized.

Nacionality rigth

All state say who is your national. The form and base about the aquisition of the nacionality is constitution matter, even in those cases that it is considered in ordinary legal text or Infraconstitucional Law.

It is tradition to write in the Constitution the rules on nationality. In Brazil the right of nationality is material and formally constitutional. 

Primary and secondary nationality

The nacionality can be primary or can be secondary.

The primary nationality or nationality of origin is the result of the natural fact, the birth. Secondary nationality is to which it acquires voluntarily, after birth.

Ways of acquiring nationality

Ways of acquiring nacionality is State-to-State variable. But, in any one of them the primary nacionality is involuntary and the second nacionality is voluntary.

To determination primary nacionality, two observation:

  1. a) Blood origin criterion or ius sanguinis: It is the nationality in its blood link. It is nacionality. National descendant of the National.
  1. b) Territory criterion or ius solis: Nationality is attributed to those who are born in the territory of the State.

Constitucional source of the right nacionality

The model for the acquisition of nationality is provided for in article 12 of the Constitution of Brazil.

That article determine two groups with diferent legal result. The Brazilian nato, that corresponds to primary nacionality (Art. 12, I, Brazil Constituition/1988) and Brazilian naturalized, that corresponds to secundary nacionality (Art. 12, II, Brazil Constitution/1988).

The infraconstitutional law it integrates the constitutional device, mainly in the form of the acquisition of secondary nationality, loss and acquisition of nationality, legislation N. 6.815 / 8.19.1980 with change legislation N. 6.964 / 12.9.1981.

The brazilian nato or nation

The Brazilian Constituition determine who is entitled to the Brazilian nationality who is born in the Brazilian territory. The factor is of birth. Place of birth.

So say Brazilian nato, nation, is to say the one who is born in Brazilian territory.

The criterion is the ius solis. Birth in territory. However, other criterion are possible or used by Brazilian law to determine who is entitled to Brazilian nationality.

The observation of this legal device indicates the existence of three primary nationality situations, for the person to be regarded as Brazilian National.

Article 12. Are Brazilians:

I-Natos:

  1. a) The Born in the Federative Republic of Brazil, although foreign parents, provided that they are not in the service of their country;
  1. b) Those born abroad, of Brazilian parent or Brazilian mother, provided that any of them are in the service of the Federative Republic of Brazil;
  1. c) Those born abroad of Brazilian or Brazilian parent, provided that they are registered in a competent Brazilian division or are resident in the Federative Republic of Brazil and opt in any time after the majority of the Brazilian nationality; (Essay given by constitutional Amendment No. 54, of 2007).

II-naturalized:

  1. a) Those who, in the form of the law, acquire the Brazilian nationality, required by the originating in Portuguese-speaking countries only for an uninterrupted year and moral suitability;
  1. b) Foreigners of any nationality, resident in the Federative Republic of Brazil for more than fifteen years and without criminal conviction, as long as they require Brazilian nationality. (essay given by the constitutional amendment of revision No. 3, of 1994);

§ 1st to the Portuguese with permanent residence in the country, if there is reciprocity in favour of Brazilians, the rights inherent to the Brazilian, except the cases provided for in this Constitution are attributed. (essay given by the constitutional amendment of revision No. 3, of 1994).

Relacioned with the naturalized:

Ordinary naturalization

Those who, if the form of the law, acquire the Brazilian nationality, requerid by the originating in Portuguese-speaking countries only for an uninterrupted and moral reputation.

Originating in Portuguese-speaking: Portugal, Angola, Mozambique, Guinea-Bissau, Azores, Cape Green, Prince, Goa, Gamon, Dio, Macau, Timor.

Extraordinary naturalization

Foreigners of any nationality, resident in the Federative Republic of Brazil for more than fifteen years uninterrupted and no criminal conviction, as long as they require Brazilian nationality.

Legal Status Brazilian nato

The legal status Brazilian nato gives some advantages over Brazilian naturalized as the possibility of exercising all rights conferred on the legal order.

The difference between Brazilian and Brazilian naturalized is determined in article 12, 2, of the Constitution of 1988.

The law will not be able to distinguish between Brazilian and naturalized Brazilians, except in the cases provided for in this Constitution.

Legal Status Brazilian naturalized

The limitation of the Brazilian naturalized is only that provided for in article 12, of the Constituition of 1988.

The offices of: Brasilian nato privative

Chairman and Vice President of the Republic, Chairman of the Chamber of Deputies, President of the Federal Senate, Minister of the Supreme Court, diplomatic career, officer of the Armed Forces, Minister of Defence. Article 12, §3º.

It also private of Brazilian Nato the member function of the Council of the Republic. Article 89, VII.

Brazilian nato cannot be extradited.

Brazilian naturalized can be extradited, in the case of a common crime, practised before the naturalization or proven involvement in illicit trafficking in narcotics and related drugs in the form of the law. Article 5º, LI.

The naturalized less than 10 years can not be owned by the company of newspaper and radio broadcasting and sound and image. Article 222.

Loss of Brazilian nationality

Loses the nationality of the Brazilian who:

Its has cancelled its naturalization by judicial decision because of harmful activity to the national interest;

Acquire another nationality (Article 12, §4o,) – except in cases of:

Recognition of originating nationality by foreign law;

Imposition of naturalization, by the foreign standard, to the Brazilian resident in foreign State, as a condition of permanence in its territory or for the exercise of civil law (ECR-3/94);

Requisition of brazilian nationality

The one who had the naturalization cancelled can never recover lost nationality, unless the cancellation is undone by itself in court.

What you have lost by voluntary naturalization can reacquire by decree of the President of the Republic.

The one who lost pursuant to the previous constitution, 1988 may reacquire the nationality.

____________________________
Como citar: Silveira, Alex Garcia. Brazilian Nacionality Rigth. 1. São Paulo: 2017. Disponível em: alexgarcias.com.br

 

Instagram: @alexgarciasofc
Facebook: fb.me/alexgarciasofc

Bem-jurídico penal, Constituição de Estado e Contrato Social

Alex Garcia Silveira

Ciência Jurídica

* Em breve nas melhores livrarias do Brasil – Participe de projeto.

1.Bem-jurídico penal, Constituição de Estado e Contrato Social

Observação e introdução a temática

A partir do ano de 2003, é observável na República Federativa do Brasil, instabilidade política causada pela corrupção de agente político e público, instalado no Poder Executivo, Poder Legislativo e Poder Judiciário.
Diante da imensidão de denúncia de corrupção a envolver quase a totalidade dos ocupantes de cargos obtidos, apenas em tese, por meio de eleição direta, voto secreto e universal, do Poder Legislativo, surgiu fenômeno anômalo legal, que é a alteração legislativa penal e Constitucional, pelo legislador ordinário brasileiro, com participação de congressistas denunciados e indiciados em operações policiais da União e Ministério Público Federal.
Substancialmente, o agente político que está a sofrer ação penal formalmente iniciada, também está a participar ativamente, de alteração legislativa Constitucional e Infraconstitucional, precipuamente, a transformar Bem em Bem-jurídico penal ou alterá-los, a formar nenhum interesse comum para a sociedade brasileira.
A cena e o cenário político no Brasil, no período entre 2003 a 2017, revela a fragilidade do Sistema Jurídico, do próprio Poder Judiciário, diante do Poder Político, controlador dos demais Poderes, na República Federativa do Brasil.
O atual modelo Constitucional para formação dos Três Poderes da República, em Estado de Direito, no Brasil, destoa dos demais modelos em outras Nações soberanas, consideradas socialmente desenvolvidas, com relação ao tratamento legislativo do agente político e público, no momento da criação legislativa e sua responsabilidade, conforme é um dos objetos de nosso estudo.
O povo confere ao Poder Executivo e Legislativo cártula em branco e assinada, para que os Dois Poderes, Executivo e Legislativo, coloquem nelas o valor que lhes interessar, além dos interesses da maioria do povo.
É inegável e conforme a História do Brasil, quanto a política nacional dos últimos 30 anos, o destaque do império da cleptocracia promovida para manter o Poder Político, constituído por partido político.
A legislação, e a mudança de entendimento pelo povo Brasileiro, sobre o Supremo Tribunal Federal, de Tribunal Jurídico para Tribunal Político, coadunando, explicitamente, com ações ilegais do Poder Político, Executivo e Legislativo, se revelou como danoso a Democracia e ao Estado Democrático de Direito no Brasil e, por conseguinte ao povo.
Tais revelações, em ações claras em face da Estabilidade do Estado Democrático de Direito, na República Federativa do Brasil, não é mais de interesse apenas do povo brasileiro, mas, da comunidade internacional, conhecer e determinar freio e punição severa para o Estado e para o legislador que produzir conteúdo legislativo em benefício próprio.
Toda mudança ocorrerá se e se somente, quem pretende mudar, conhecer o objeto transformador e causador da mudança pretendida. Porque não há como mudar, se continuar a fazer o mesmo.
É natural ser necessário o entendimento sobre o processo e procedimento da formação do Bem em Bem-jurídico, gênero e espécie.
É necessário o conhecimento sobre a origem do Bem e saber por qual razão e lógica foi transformado em Bem-jurídico, pelo legislador originário ou ordinário, brasileiro.
É imprescindível ter conhecimento se os Bens-jurídico que estão determinados na Constituição de 1988 são compatíveis, principalmente, com o interesse comum do povo brasileiro e, precipuamente, compatível com Tratado Internacional sobre Direitos Humanos. Para, através de legislação, impedir a produção legislativa, principalmente em matéria afeta ao Direito Penal e ao Direito Processual Penal, do legislador tendencioso a legislar em causa própria.
Logo, é necessário ter conhecimento sobre o processo de formação do Bem-jurídico penal e sua compatibilidade com a Constituição de Estado e, desta com Contrato Social Universal, para determinar precisamente as ações do legislador no momento da atividade de legislar. Para que não legisle em causa própria, mas, somente e tão somente, em benefício de todo povo, a formar bom exemplo para outras nações e outros povos sobre a dignidade e honra do legislador brasileiro, ao tratar dos interesses daquele que representa.
Precipuamente, o rumo que seguimos foi ao encontro da origem do Bem-jurídico Penal. Para assim compreender o método que será utilizado para impedir a atividade do legislador, de legislar em causa própria, na República Federativa do Brasil.
Antes de todo Bem-jurídico e, portanto, de toda legislação do humano para o humano, estão as Leis da Natureza.
É necessário conhecer qual o Bem que está nas Leis da Natureza, do qual na ausência o homem é incapaz de sobreviver ou existir, sem que tal Bem seja protegido e garantido por um Poder Maior, comum a todos.
O Bem com origem nas Leis da Natureza, são assim denominadas, porque derivam unicamente, da constituição de característica ou qualidade própria do Cosmo, ou, do Ser.
Para conhecê-las consideramos o Homem antes do estabelecimento da sociedade civil e, portanto, insubmisso a todo Poder Maior Instituído ou Institucionalizado.
Atingindo tal Estado de Natureza do Homem será observável os Bens que permitem a sobrevivência de todo Homem em todo lugar, sem exceção.
Nesse ponto de Estado de Natureza primitivo, observar-se-á, apenas, o Elementar para a satisfação dos Instintos do Homem, próprios da sobrevivência animal, tal como o são Bem Elementar para todo o orgânico e inorgânico.
Determinam-no como Bem Elementar percebível na Primeira Dimensão da capacidade conhecida do intelecto humano, que é diverso do intelecto do animal irracional, conforme a classificação biológica e do Homo sapiens e, portanto, com outras e diversas dimensões de satisfação de necessidade existencial do gênero, em geral, e da espécie, individual, não comum a outras espécies.
Encontrado a origem do Bem, conforme, apenas, o Elementar e Universal para todo Homem, onde quer que exista Homem, na base do primitivismo para a existência do corpo e da mente consciente, é certo que apenas a satisfação dos Instintos básicos para a sobrevivência de qualquer Homem, não integra cenário permanente e imutável apto a explicar a quantidade, quase que infindável, das coisas que o Homem considera como Bem para a satisfação dos impulsos naturais a sobrevivência de tal gênero de espécie animal e natural.
Desse modo é considerável, para o estudo, a divisão dos Bens em Dimensão. Conforme se Elementar, Essencial, Fundamental, útil para a sobrevivência do Homem, precipuamente, em paz.
Quais são os Bens que foram transformados em jurídico pelo Homem e qual é a razão para considerar algo ou alguém como Bem e, posteriormente, Bem-jurídico, são algumas das declarações que investigamos nesse estudo.
Consideramos a relevância sobre a compreensão do processo de formação do Bem-jurídico penal.  A saber qual é a razão e a lógica utilizada como método pelo Legislador ordinário ou originário para transformar Bem em Bem-jurídico penal na República Federativa do Brasil.
Mesmo modo procurar esclarecimento sobre a compatibilidade do Bem-jurídico penal, não apenas com a Constituição de Estado, mas também, a compatibilidade do fato típico e antijurídico, efeito da atividade originária ou ordinária do legislador, com Tratado Internacional sobre Direitos dos Homens. A formar completa compatibilidade hierárquica piramidal entre o Bem-jurídico penal, a Constituição de Estado e Tratado Internacional sobre Direitos Humanos, a declarar sua causa primeira e seus efeitos.

A problemática

Continue reading